WhatsApp: (61) 98170-9598

E-mail: [email protected]

Qual a diferença entre ser tributado como PF e PJ?

Para o profissional da área da saúde, há uma grande questão logo no início da prestação de seus serviços: Qual mais vantajoso, pessoa física ou jurídica?

De forma prática, alguns serviços podem ser exercidos como pessoa física e a medicina se enquadra nesse perfil. Dessa maneira, é possível exercer tais atividades sem necessariamente, abrir uma empresa. Mas, a dúvida que permanece é se, de fato, vale a pena permanecer dessa maneira.

Para serviços como pessoa jurídica, grande parte dos empreendedores optam por escolher ou o Regime de Tributação Simples Nacional ou o Lucro Presumido. Já em casos das atividades como pessoa física, o profissional pode emitir recibo usando seu CPF e pagando o imposto de renda através do carnê leão, usando o livro caixa.

Já para os optantes do CNPJ, nas formas mais utilizadas, simples nacional e lucro presumido também possuem suas particularidades. Na primeira opção, o imposto é cobrado de acordo com o faturamento empresarial, levando em consideração pagamentos como salários e pró-labore (O “salário” do dono da empresa).

Por outro lado, na opção do lucro presumido a taxa utilizada é fixa, totalizando 11,33% sobre o faturamento. Outro ponto importante é que, nesta opção, também é acrescentado o ISS – imposto sobre serviços – que é pago junto ao governo do distrito federal, em uma alíquota mínima de 2%.

!!Uma dica muito importante: Antes de decidir qual sistema tributário, procure sempre um profissional especializado. É com o auxílio de uma consultoria contábil que você conseguirá definir, de maneira eficaz, sua estratégia tributária.

Pessoa física

As despesas dedutíveis que são incluídas ao profissional que atua como pessoa física estão diretamente relacionadas à sua atividade. Essas despesas são, por exemplo, aluguel do espaço, pagamento de funcionários, pró-labore, materiais de trabalho, entre outros.

Dessa forma, a apuração e cálculo do imposto de renda terá uma variação sobre o rendimento líquido do seu negócio. Assim, essa apuração poderá ser de até 27,5%, somado ao INSS, alvará de localização e o ISSQN Autônomo.

Em um primeiro momento, a opção pode parecer mais vantajosa e menos burocrática, afinal, não é tratada como uma empresa, de fato. Porém, dependendo dos rendimentos do seu negócio e sua projeção de crescimento, esse modelo acaba por se tornar mais trabalhoso e caro, do que possuir um CNPJ.

Pessoa Jurídica

As opções de tributação para pessoa jurídica se dividem nas seguintes: Simples Nacional, Lucro Presumido, Lucro Real. Como falado acima, grande parte das empresas nesse setor escolhem como segmento de tributação o Simples Nacional ou Lucro Presumido, por se tratar de opções menos burocráticas para se trabalhar e, em sua dimensão, mais vantajosas também.

O Lucro Presumido é um processo de tributação que se dá a partir da receita bruta trimestral da empresa. Essa tributação é avaliada e cobrada segundo percentuais pré-definidos em função da atividade exercida pelo negócio. Dessa forma, os percentuais são de 1,6%, 8%, 16% e 32% para cálculo da base para tributação do Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas (IRPJ) e 12% e 32% para cálculo da base para tributação da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL).

Dentro dessas opções, as empresas que podem optar por essa forma de tributação são aquelas cuja receita bruta total tenha sido igual ou inferior ao valor de R$78.000.000,00.

Já o Simples Nacional possui um sistema de recolhimento de tributos mais simples, através do documento único de arrecadação do Simples Nacional (DAS). Esta opção abrange os seguintes tributos: IRPJ, CSLL, PIS/Pasep, COFINS, IPI, ICMS, ISS e a Contribuição para a Seguridade Social destinada à Previdência Social a cargo da pessoa jurídica (CPP).

Entretanto, para se encaixar no Simples Nacional é preciso se enquadrar em microempresa ou empresa de pequeno porte e, formalizar a opção junto ao Simples Nacional.

Como decidir?

A decisão da melhor opção vem de um bom planejamento tributário; através deste estudo, é possível definir e comparar os valores de acordo com a projeção empresarial e seus custos.

Não existe uma fórmula padronizada para a regularidade de um bom regime tributário, todo o processo é personalizado e deve se encaixar de acordo com o modelo da empresa. Por isso, salientamos a importância de bons profissionais ao seu lado neste momento. Nós, da Broker Consultoria Contábil, estamos aptos e dispostos a caminhar com você nessa jornada rumo ao sucesso de seu negócio!

Faça uma avaliação tributária conosco!